Saúde


A susceptibilidade das pessoas aos efeitos dos poluentes atmosféricos varia com diversos factores, sendo a idade um dos determinantes mais importantes. Existem outros factores de susceptibilidade como o estado nutricional ou condições de predisposição. Outros factores como a diferente composição dos poluentes atmosféricos, a dose e o tempo de exposição, e o facto de o ser humano estar normalmente exposto a misturas de poluentes e não a substâncias simples, pode gerar diferentes impactes na saúde das populações. Os efeitos da poluição atmosférica podem variar desde náuseas e dificuldade em respirar ou irritação da pele, até doenças mais graves como por exemplo o cancro. Os principais sistemas afectados são o cardiovascular e o respiratório mas as funções de outros órgãos também podem ser afectados. Há também estudos que evidenciam associações a atrasos no desenvolvimento de crianças, redução da actividade do sistema imunitário.

Para medir o impacto da poluição atmosférica na saúde humana os investigadores do projecto GISA escolheram como indicador de saúde o peso à nascença dos bebés nascidos na região. A escolha deste indicador deve-se ao facto de que, durante a gravidez, os organismos dos bebés são muito vulneráveis ao ambiente que os rodeia. A exposição aos poluentes ambientais pode reduzir a qualidade de vida dos bebés no útero e aumentar o risco de nascer com um peso inferior ao esperado.